segunda-feira, 20 de outubro de 2014

mais brilho...






Tenho grande afeição por passarinhos. Sua liberdade, sua fragilidade, sua graça ao voar me encantam. 
Adoro ficar ouvindo, olhando os pequenos e conseguir fotografá-los me dá imenso prazer.

Alguns passarinhos de porcelana, de cerâmica, de metal e de resina alegram cantinhos daqui de casa.




Estes, da foto abaixo, são de resina e achei que dar uma abrilhantada neles lhes traria mais vida.


Usei tinta spray metalizada e o casal de passarinhos continua apaixonado porém, agora, mais reluzente.

domingo, 19 de outubro de 2014

flores...


Um dia fui presenteada com uma Jacobínia (ou Justicia). Nome diferente para uma bela flor.

Quando ela começou a murchar cortei dois pedaços do seu galho e finquei ao acaso num vaso no quintal...  meses se passaram e dos galhinhos sairam várias folhinhas, que viraram folhonas vistosas...
Esta semana fui presenteada novamente.Duas flores delicadamente lindas desabrocharam do meu modesto pé de Jacobínia.

Veja como são graciosas!

aqui as primeiras pétalas aparecendo...


Já tomando jeito de flor...


E já completamente formada enfeitando a casa!


sábado, 18 de outubro de 2014

acabei de ganhar...


Para o clima de deserto...


40ºC
  • Direção do Vento: W
  • Condição: Tempo firme
  • Pressão: 1011 hPa
  • Intensidade do Vento: 15 km/h
  • Umidade: 12%


.... uma planta de deserto



O pequeno cáctus vem neste vasinho bem bacaninha!!!! Bonitinho!!!

grande companheira

Nossa companheira completou 15 anos no último dia 14.

Ela veio para nossa casa em meados de novembro... descabeladinha, fofa e cheia de pulgas.
Chegou com toda energia e curiosidade para descobrir o mundo trazendo alegria e muitas mudanças em nossa vida.

 

Devagar, foi tomando conta de tudo: do sofá, dos tapetes, do corredor, da sacada, do banco de trás do carro... dos nossos corações.

Esta é a nossa querida sinhazinha!

Hoje, um pouco mais dorminhoca, continua dando as ordens, espalhando coisas pela casa e felicidade em nossa vida.
Parabéns Gaia!



sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Santo Antonio, Santo Antoninho

 


Em nossa mesa sempre haverá comida pois Santo Antonio está aqui!

Espichando o olhar na direção da pequena imagem de Santo Antonio, que ficava na prateleira do armário próximo ao fogão, ouvi muitas vezes esta frase da boca da minha avó Armelinda. Assim cresci confiante de que sempre encontraria na mesa a comidinha preparada com capricho, amor e a simplicidade exclusiva das avós.

Santo Antônio, além de zelar por nossas provisões, também era invocado para ajudar a encontrar coisas perdidas. Sumiu?  Bastava fazer o responso para Santo Antônio que, rapidamente, a coisa aparecia. 

Era esta a especialidade da Vó Paula, que murmurava lá sua prece fincando um garfo na terra e se a tal coisa não tivesse atravessado o rio, apareceria. Assim era dito e feito. Em pouco tempo se encontrava o objeto sumido.

A mim, ainda pequenininha, foi ensinado pedir assim:


Santo Antônio, Santo Antoninho, me ajude a encontrar tal coisa que eu dou três pulinhos.

Até hoje, quando perco alguma coisa, faço isso. Garanto-lhes que já dei centenas dos três pulinhos.

Pois aí estão dois exemplos de costumes que passam de pais para filhos, ou, melhor dizendo, de avós para netas e se mantém pela nossa fé e devoção.


Na minha casa, Santo Antônio também tem seu lugar especial.
A primeira imagem era de barro, pequenininha, mas um dia acabou espatifada no chão; depois veio uma de plástico que ficou por anos na mureta da cozinha, que fazia divisa com a lavanderia do nosso pequeno apartamento; e, quando nos mudamos para nossa casa, ganhei de uma tia uma imagem de resina, maior, bem acabadinha, muito bonita.

Dias atrás, olhei para o meu Santo Antônio e resolvi dar-lhe um novo acabamento.


Usei tinta spray multiuso. Foram três demãos para obter uma boa cobertura.
Depois de secar por 24 horas, usei uma lixa bem fina e desgastei alguns pontos para ter um efeito  envelhecido, retirei o pó com um pincel seco e macio e estava pronto.

Não tenho nenhum conhecimento técnico de pintura, mas asseguro que foi simples e fácil de fazer. E o bom é que ficou como imaginei.




Agora, de "roupas" novas, Santo Antônio e o pequeno menino Jesus continuam lá no seu posto zelando por nossa família, por nossa despensa e sempre pronto a nos socorrer nas horas de aflição.