quinta-feira, 21 de agosto de 2014

de ontem... mas para sempre


Quando criança tive daqueles brinquedos articulados, um burrico e uma vaquinha que foram meus companheiros durante um bom tempo. E outro dia encontrei, numa loja de brinquedos, este palhacinho que agora alegra minha mesa de trabalho.

E você teve em sua infância destes brinquedinhos singelos e divertidos?


quarta-feira, 20 de agosto de 2014

colete e gorrinho para recém chegado



Para tricotar rapidinho e esquentar um bebê que resolveu chegar antes do esperado.

Tam.: recém nascido
Agulhas 9
Fio Bariloche, Pingouin


Colete

Montar 16 pontos e tricotar 7 cordões de tricot.
Seguir em ponto meia no direito e tricot no avesso por 14 carreiras
Trabalhar 5 pontos, arrematar 6 pontos e tecer os últimos 5.
Continuar trabalhando apenas com este 5 e deixar os 5 da outra lateral em espera.
Fazer 6 carreiras e iniciar aumentos a cada 2 carreiras (5 vezes) -

Tecer sobre estes 10 pontos mais quatro carreiras e finalizar com 7 cordões de tricot.
Fazer da mesma maneira do outro lado.

Costurar a lateral e pregar o botão

Gorrinho

Montar 30 pontos
Na 9ª carreira fazer: *2 t, 2 p.j.t* até o final
Na 15ª carreira: *2 t, 2 p.j.t* até o final
Na 19ª carreira: 1 t, *2 p.j.t*, 1 t
Na 21ª carreira: 1 t, *2 p.j.t*, 1 t

Passar um fio sobre os pontos restantes, prender com um nó e costurar a lateral.

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

almofadas novas




_"tecido lindo, bela estampa, 100% algodão, artigo de "primera"!
Assim dizia o Amir, dono da lojinha de tecidos no bairro onde cresci. Lá se encontrava muita variedade e opções lindas mas como este Amir ficaria devendo. 

Este foi presente da Dida e trouxe um pouco das cores e da arte africana para nosso sofá.

domingo, 17 de agosto de 2014

gostoso como fim de semana

Como deixar o fim de semana mais gostoso?
Faça um brownie

Como ver carinhas de felicidade? 
Faça um brownie.
 




















Brownie
150 g chocolate meio amargo de boa qualidade
100 g de  margarina ou manteiga sem sal
3/4  xíc. (chá) de açúcar mascavo
3/4  xíc. (chá) de açúcar (branco)
2 ovos
2 xíc. (chá) de farinha de trigo
1 col. (sopa) de fermento em pó
3/4 de xícara de nozes picadas

Derreter o chocolate e amargarina (ou manteiga) em banho-maria e deixar esfriar.
Preaqueça o forno em temperatura moderada (um ponto antes do baixo)
Bata os ovos com os dois tipos de açúcar, junte o chocolate derretido.
Coloque a farinha previamente misturada ao fermento.
Bata com batedeira ou com batedor e junte as nozes.
Coloque em assadeira untada e enfarinhada (22X28cm) e asse por 40-45 minutos(este tempo pode variar conforme o seu forno.

Ainda quente, corte em quadradinhos.



sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Bolsinhas de bolinhas da minha avó


Estas bolsinhas eram da minha avó e trazem muitas lembranças...
Ai, quanta saudade.



Me lembro que eram três.
Uma, toda de bolinhas multicoloridas (esta da foto acima).
Outra, com bolinhas coloridas que formavam losangos ( na foto abaixo).
E a terceira, só com bolinhas vermelhas.

As duas primeiras eram bolsas de ir à missa e a vermelha, de ir ao comércio já que era um pouco maior e cabia até um agasalho leve para uma possível mudança inesperada de temperatura.








Todas as três eram dupla face, viravam do avesso e, num passe de mágica, se tinha outra bolsa, preta de bolinhas.
Eu achava isto fantástico!







Com quatro anos comecei a acompanhar minha avó às missas.
Íamos minha avó, meu avô e eu, de mãos dadas com os dois.
Sempre fui de madrugar, por isso ir às seis da manhã na missa com eles era uma alegria.

A igreja era linda, adorava ver todos aqueles santos, o padre todo paramentado, os lustres enormes pendendo do teto, o piso de ladrilhos formando lindos desenhos.
A fumaça do turíbulo, a fila da comunhão, a passagem da cestinha para o "pão dos pobres", onde cada fiel colocava sua contribuição (o Vô me deixava colocar o tostão), o benzimento com água benta na entrada e na saída... tudo me encantava.

Tenho que confessar que, na hora da leitura bíblica, eu me perdia entre tantas palavras. Então, me ocupava em contar as bolinhas da bolsa da Vó e passava a correr com os dedinhos, que se encaixavam exatamente entre os losangos. Isto também era outra tarefa bastante interessante.  Mais de uma vez, tentei arrancar uma bolinha; mas, até mesmo com os olhos fechados em meditação, minha Vó percebia e, rapidamente, reprimia minha conduta. Não sei como ela fazia aquilo. Acho que algum anjo lhe soprava ao ouvido.

Guardo estas bolsinha no armário e, no coração, todas as lembranças que elas me trazem.